conteúdo da página A INVERSÃO DE VALORES E O JULGO DESIGUAl ~ IGREJA EVANGELICA ASSEMBLÉIA UNIVERSAL

segunda-feira, 13 de março de 2017

A INVERSÃO DE VALORES E O JULGO DESIGUAl


A Bíblia nos alerta sobre o casamento fora dos padrões e parâmetros doutrinários estabelecidos na lei de Deus. O julgo desigual é a existência de diferentes personalidades, essas diferenças vão surtir efeitos somente com o passar dos tempos e serão fundamentais, tanto no controle como desiquilíbrio da convivência do casal e os conflitos por tais divergências serão notórias no dia a dia, gerando desiquilíbrio. As afinidades relacionais serão determinantes nessa convivência. Pois somente como os mesmos objetivos, propósitos, projetos, sonhos em comum é que o casal terá melhores perspectivas.  Pois o êxito depende em muito das afinidades.

Não se pode confiar nos artigos fantasiosos descritos na mídia e nas pregações institucionais carregadas pelo emocional de um pregador que ainda não percorreu todos os caminhos de um relacionamento e julga o seu como perfeito. As divergências serão inevitáveis, porém controláveis, pois não há e nunca existiu um casamento perfeito descrito nas Escrituras, e quem pregar tal perfeição é um hipócrita. A mídia expões receitas prontas com promessas de casamento perfeito e sem conflitos e isso também é hipocrisia. Na bíblia está escrito: “No mundo tereis aflições”. Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo. João 16:33.

O julgo desigual tem seu registro na bíblia e cita vários casais, os quais tiveram suas divergências, como; Abraão e Sara, Isaque e Rebeca, Gênesis 25.21), Davi e Bateseba (Salmos 32.3). Não há como escapar das consequências, pois as divergências de personalidade não estão ligadas a religião ou a status político ou social, pois todos são alvos desse mal que tanto circuncida os lares como os indivíduos, esse desvio de personalidade está presente de forma oculta ou espontânea, não é uma escolha, mas parte intrínseca do ser humano.

Leis são criadas periodicamente para controlar o comportamento humano, mas, sem sucesso.  “E o irmão entregará à morte o irmão, e o pai o filho; e os filhos se levantarão contra os pais, e os matarão”. Mateus 10:21. As leis criadas para intermediar esse conflito, na verdade estimulam a violência ao sacrificar os menos favorecidos ou condenar o sujeito sem provas suficientes e ao mesmo tempo beneficiando os ricos e demais detentores dos poderes políticos e jurídicos.

 Os conflitos e a decadência moral na sociedade e nos laços familiares, não tem solução no imaginário do sujeito, trata-se de um sonho inquestionável.
Até um certo tempo eu perguntava a mim mesmo o porquê de muitos homens e mulheres ficarem sozinhos e rejeitarem um novo compromisso ou relacionamento. Hoje compreendo que o causador deste estranhamento social é causado pela natureza humana, que direciona o comportamento e as atitudes pessoais criando falsas expectativas e uma falsa liberdade de expressão. Conforme Hall, o sujeito experiente possui uma identidade única e estável, mas, vem se fragmentando e se contrariando em sua vida numa sociedade tão controvérsia. (Hall 2004 pag.92). Ao se contrariar o sujeito atribui seu desvio de comportamento à sociedade e não a sua personalidade. Mesmo em um relacionamento existe a possibilidade de acertos, como exemplo um quebra cabeça onde as peças são diferentes, mas se encaixam perfeitamente para se completar. Costa, afirma que a comunicação é expressiva e pragmática em suas dimensões na experiência humana e a que mesma não pode ser construída por meio de atos discursivos e sim por meio de atitudes e ações que transforma o comportamento e a visão de mundo. (Costa, 2004. Pag. 92).
Um desvio de comportamento registrado em uma relação, encontramos em gênesis, quando Abraão expulsou uma de suas escravas após ter engravidado a mesma. “E Agar deu à luz um filho a Abrão; e Abrão chamou o nome do seu filho que Agar tivera, Ismael”. Gênesis 16:15. As consequências causadas por este acontecimento, tem percorrido os séculos até nossos dias. “E ele será homem feroz, e a sua mão será contra todos, e a mão de todos contra ele; e habitará diante da face de todos os seus irmãos”.

O casamento é um desafio, onde os opostos que se atraem, desconhecem o caminho a percorrer e as decisões a serem tomadas, e nesse contexto, a maturidade só vai surgir muito anos depois em busca de um equilíbrio relacional de suas falhas e tentativas de um diálogo, os quais estão mais conscientes das atitudes e das ações praticadas, que após certo tempo percorrido é que certas formalidades vão obter seus devidos valores, onde o respeito e os esforços serão levados em consideração afim de uma estabilidade relacional, sendo valorizado assim o companheirismo e a fidelidade.

Ao criar fachadas textuais com fórmulas prontas e mágicas de um casamento feliz, tais escritores ocultam a realidade e o contexto, afim de iludir os indivíduos, esses mercenários ou abutres que vivem da desgraça alheia, vivem de aparências e projetam modelos perfeitos em um mundo imperfeito. Pois todo relacionamento tem um ponto de partida é nesse ponto que as qualidades são testadas, esse período é um teste ou uma adaptação, mas aos poucos e no decorrer dos dias é que o conhecimento vai se ampliando e as divergências se manifestando. O caminho é espinhoso, dúvidas são geradas os preconceitos aparecem, o desvio de conduta será testado a toda prova, a descrença e a insegurança vai corromper os pilares relacionais, abalando a personalidade e jogando por terra todos os projetos e aquela empolgação de uma felicidade permanente e duradoura, a mudança de comportamento é gradual, mas crescente até atingir o ápice e um radicalismo imparcial e inaceitável.

Portanto não há casamento perfeito e se existiu algum, só podemos citar a união de Adão e Eva antes do pecado, pois antes do pecado os mesmos eram perfeitos.

Conclusão.

Os valores éticos e morais antes tidos como absolutos, imutáveis e insubstituíveis, sofreu com o surgimento da modernidade uma decadência sem precedentes, alcançando um padrão de nulidade do referencial desta moralidade, sendo desconsiderados como normas a serem observadas, sendo substituídos pela liberalidade do racionalismo do sujeito. “Ai dos que ao mal chamam bem, e ao bem mal; que fazem das trevas luz, e da luz trevas; e fazem do amargo doce, e do doce amargo!  Ai dos que são sábios a seus próprios olhos, e prudentes diante de si mesmos! ” Isaías 5:20,21. Estamos diante de um colapso moral.

Observa-se que as normas variam de cultura para outra cultura e até de pessoas para pessoas, ou melhor uma independência da moral e da ética na sociedade do sujeito, em outras palavras a liberdade total das expressões.  Essa multiplicidade de regras é conflitantes e contraditórias e as normas ultrajadas pelo racional pervertido do indivíduo, as virtudes cristãs são desprezadas, não há fundamentos a serem observados nem regras a serem cumpridas, tudo é legal, nada é imoral. A existência do relativismo circunstancial depende de uma visão com novas perspectiva e livres dos preconceitos preestabelecidos como universais pois não são tidos como absolutos.

"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
                                                                                                                  "Rui Barbosa"

 A teoria é complexa e seus métodos críticos, onde suas abordagens são sistematizadas no intuito de buscar a compreensão da realidade do sujeito em seu tão fragmentado saber e seus equívocos pedagógicos, surgindo daí uma disjunção cognoscitiva e fragmentada na geração desse saber. O indivíduo busca fundamentar a subjetividade moral no plano mundano, entendido como um organismo complexo do racional com princípios de exclusão e inclusão, sendo o primeiro antagônico e responsável pela identidade do mesmo, já o segundo, entende-se como egocentrismo ou um egoísmo com atitudes e ações eticamente condenáveis, tais indivíduos oscilam entre o caráter vital egocêntrico com uma prática altruísta. O escritor Morin, afirma que o ato ético parte de uma ordem superior á realidade objetiva, tendo como sentido um ato de religação do sujeito com a sociedade em si, afim de revitalizar e regenerar as relações. De acordo com Morin a auto ética inicia-se com o ser humano na pré-história do espirito, e entendida como ascendência religiosa, onde uma barbárie interior e própria do sujeito exige um esforço para ser vencida por meio do auto reconhecimento, evitando assim as estratégias do espirito humano em justificar seus atos questionáveis e compreender as razões subjetivas e a complexidade de tais conflitos, tornando assim possível o perdão como um poder ou força redentora e regeneradora do sujeito. O escritor Morin, defende a “dialógica” como os impulsos, valores e posturas concernentes a consciência do sujeito.


Referências:

Fonte Pesquisada:
 https://pt.wikiquote.org/wiki/Ruy_Barbosa.
- "Requerimento de informações sobre o caso do Satélite". Discurso no Senado (17/12/1914), Obras completas, Vol. 41, citado em "Sobre cultura e mídia" - página 99, Por Roberto Murcia Moura, publicado por Irmãos Vitale, 2001, ISBN 8574071552, 9788574071558, 204 páginas.

Fonte Pesquisada: Morin E. O Método 6: ética. Porto Alegre: Sulina, 2005. 222 p.

Fonte Pesquisada:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000200031.

Fonte Pesquisada: COSTA, José Wilson da, OLIVEIRA, Mª Auxiliadora Monteiro. (Orgs). Novas linguagens e novas tecnologias: educação e sociabilidade. Petrópolis: Vozes, 2004.
Fonte Pesquisada: HALL, Stuart. A identidade Cultural na Pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

Fonte pesquisada:https://www.bibliaonline.com.br/

Fonte pesquisada: http://bibliaportugues.com

0 comentários: